O criacionista da Terra Antiga e astrônomo cristão Hugh Ross argumentou que um novo estudo científico sobre os estágios da formação da Terra se alinha com a história da criação em Gênesis na Bíblia, particularmente quando se trata do quarto dia e da luz no céu.

“Um novo estudo publicado no Astrophysical Journal afirma que uma névoa foi pelo menos parcialmente responsável pelos penetrantes céus translúcidos que envolviam a Terra durante a primeira parte de sua história”, escreveu Ross em seu  site Reasons to Believe , na segunda-feira.

“Gênesis 1 e outras passagens bíblicas também descrevem a atmosfera primitiva como nebulosa e nebulosa. O mesmo estudo demonstra, através de uma série de experimentos, como a neblina atmosférica da Terra diminuía muito”, acrescentou.

O estudo , publicado pela American Astronomical Society em maio, explica que investigou “o efeito do O2 na formação e composição de aerossóis para melhorar nossa compreensão da formação de neblina na Terra Neoproterozóica”.

Ele notou que a presença de moléculas portadoras de oxigênio e a fixação de nitrogênio também desempenhavam um papel no balanço de energia e no clima do planeta – algo que, como ressalta Ross, é mencionado no Gênesis.

“No dia 4 da criação, quando Deus disse: ‘Haja luzes na expansão do céu … Elas servirão como sinais para estações e para dias e anos’, Ele transformou a atmosfera da Terra de translúcida para, pelo menos ocasionalmente, ser transparente “, sugeriu Ross.

“Isso permitiria que os animais que Deus criou nos dias 5 e 6 da criação possam ver as posições do Sol, da Lua e das estrelas na vastidão do céu e usar essas posições para regular seus relógios biológicos.”

O astrônomo, que tem um Ph.D. da Universidade de Toronto, e também é pastor, publicou vários livros  explorando como a ciência e as escrituras se alinham em sua explicação para a criação do mundo.

Embora apoiando a história da criação em Gênesis, ele também criticou as interpretações da Terra Jovem que insistem que a Bíblia se refere a seis dias de criação de 24 horas.

Como Ross ressalta, o estudo no Astrophysical Journal analisou a falta de oxigênio como causa da translucidez atmosférica da Terra.

“A combinação de neblina mais densa e maior cobertura de nuvens anterior a 580 milhões de anos atrás significa que enquanto a luz penetrava a superfície da Terra, não seria possível para as criaturas da superfície discernirem com precisão e frequência suficientes as posições do Sol, Lua e estrelas no céu “, escreveu ele.

“Esta circunstância não apresenta problemas para a vida anterior a 580 milhões de anos atrás, uma vez que tal vida (micróbios, algas, fungos, briófitas) não requer conhecimento das posições do Sol, da Lua e das estrelas.”

O criacionista da Velha Terra argumentou que o estudo “afirma a cronologia da criação em Gênesis 1: a atmosfera da Terra passou de translúcida para freqüentemente transparente no quarto dia da criação, pouco antes de Deus criar os primeiros animais da Terra no quinto dia da criação”.

“O estudo fornece ainda mais evidências de que quanto mais aprendemos sobre a natureza e seu registro, mais nós acumulamos boas razões para acreditar que a Bíblia é a Palavra de Deus autorizada, inspirada e inerrante”, disse ele.

Dan Delzell, pastor da Wellspring Church em Papillion, Nebraska, apontou em um editorial para o The Christian Post  em março de 2017 que muitos cristãos permanecem divididos em exatamente quanto tempo foram os dias da criação.

“Muitos cristãos acreditam em uma terra jovem, enquanto muitos outros cristãos acreditam em uma terra antiga. E alguns como eu acreditam que você não pode colocar uma idade exatamente na Terra. E tudo bem”, escreveu Delzell na época.

“Você não está pecando ou desonrando a Deus crendo que alguns ou todos os dias no primeiro capítulo da Bíblia foram períodos de 24 horas. Da mesma forma, você não está pecando ou desonrando a Deus crendo que alguns ou todos os dias não podem ser medido em horas ou minutos. Qualquer um que lhe disser o contrário perdeu de vista o quadro geral e optou por tornar-se contencioso por causa de uma questão secundária. ”

fonte:www.christianpost.com