SinWilayat Sinai, um grupo terrorista afiliado ao Estado islâmico, chamou os cristãos de “presas favoritas” e advertiu os crentes a se prepararem para mais ataques, como o atentado suicida  de uma igreja copta no Cairo, em dezembro, que matou quase 30 pessoas

A Associated Press  informou que o grupo radical lançou um vídeo de 20 minutos com imagens do Papa cristão copta do Egito, homens de negócios cristãos, juízes e sacerdotes, nos quais os radicais chamam os cristãos egípcios, uma minoria no país, sua presa preferida.

“Deus deu ordens para matar todos os infiéis”, diz um dos militantes no vídeo, referindo-se aos cristãos e a todos os que não seguem os ensinamentos extremistas.

Outro militante diz: “Oh adoradores da cruz … os soldados do estado estão te observando.”

Além disso, o grupo alertou que o bombardeamento da Catedral de São Marcos, no distrito de Abbassyia, no dia 11 de dezembro de 2016, que visava especificamente os cristãos, era “apenas o começo”.

A IS vem realizando um genocídio contra cristãos, yazidis e outras minorias religiosas em seu território capturado no Iraque e na Síria, mas seus afiliados espalharam tais ataques terroristas por toda a região.

Tem havido um aumento na violência mortal contra os cristãos no Egito especialmente, com AP observando que os extremistas continuam a culpar e punir coptas por sua parte na derrubada do ex-presidente islâmico Mohamed Morsi em 2013.

O atual presidente, Abdel Fattah el-Sisi, prometeu proteger os cristãos dos ataques terroristas e, após o bombardeio da igreja em dezembro, disse: “O terrorismo vicioso está sendo travado contra os coptas e muçulmanos do país. . ”