Um jovem pai pobre toma emprestados apenas US $ 50 para atender a uma necessidade médica urgente de sua filhinha e concorda em pagar a dívida trabalhando em uma pedreira, apenas para se ver preso nela com sua esposa e filhos pelos próximos vários anos. anos. Uma jovem adolescente que procura escapar da vida minando a pobreza cai pelas promessas de um jovem que conheceu há apenas algumas semanas e se vê enganada e presa em um bordel em um notório distrito da luz vermelha, sexualmente abusado várias vezes ao dia por anos fim. Um menino é expulso por sua mãe com um estranho em troca de dinheiro, e agora ele se vê preso em um barco de pesca que trabalha 16 horas por dia para um escravo abusivo.

Essas histórias infelizmente são muito comuns em grande parte do mundo hoje. O abuso e a opressão de pessoas pobres – por meio do tráfico de pessoas para trabalho e exploração sexual forçada, exploração sexual on-line de crianças e muito mais – podem ser batidos sob o termo guarda-chuva moderno. As estatísticas sobre este crime global são surpreendentes. Em qualquer dia, em 2016, estima-se que 40,3 milhões de pessoas foram vítimas da escravidão moderna.

Uma em cada quatro vítimas da escravidão moderna são crianças. Mulheres em todo o mundo, com 71%, sofrem excessivamente mais do que os homens como vítimas da escravidão moderna.

O que a Igreja deve fazer? As Escrituras estão repletas de ordens muito explícitas para “buscar justiça, defender os oprimidos, assumir a causa dos órfãos, [e] defender o caso da viúva” (Isaías 1:17). Das directrizes claras em Deuteronômio para prover para os órfãos e as viúvas, para a condenação em Isaías daqueles que ‘moem a face dos pobres’, para a admoestação de Jesus dos fariseus nos Evangelhos por negligenciar ‘justiça, misericórdia e fidelidade’ ‘, preocupação com os oprimidos e os maltratados constitui a varredura central da Bíblia. O mandato das Escrituras sobre a Igreja para imitar o coração de Deus é notável e irrefutável. 

A Igreja é o veículo de Deus para introduzir shalom no quebrantamento e opressão do mundo. Para que a Igreja anuncie com credibilidade a vinda do reino de Deus no Filho de Deus e através dele, ele deve estar ativamente envolvido na busca de justiça, tanto local quanto globalmente. Sem tal “interação ativa com o quebrantamento ao nosso redor, nossa proclamação permanece meramente uma sombra do glorioso Evangelho que fomos encarregados de compartilhar”.

A Igreja deve assumir plenamente seu mandato para ser a voz profética da transformação no mundo. A magnitude de tal opressão pode, naturalmente, ser debilitante e tão profundamente desanimadora, e, no entanto, nestas mesmas situações, a Igreja deve apresentar-se como o supremo precursor da esperança. Tal esperança não deve apenas apontar para a realidade da ressurreição incorrupta do futuro, mas talvez mais importante, para o que virá vivo no presente para milhões em todo o mundo.

Para ter certeza, a Igreja realmente começou a perceber o flagelo da escravidão que assola nosso mundo hoje. Em 24 de setembro th , 2017, 3500 igrejas em todo o mundo observou Liberdade domingo– celebrando os sobreviventes restaurados, orando por futuros resgates e conscientizando suas comunidades sobre as realidades da escravidão moderna. Igrejas ao redor do mundo, independentemente de suas afiliações denominacionais, estão se unindo à luta para acabar com a escravidão. Na Índia, mais de 200 mil pessoas se reúnem regularmente para orar pelas vítimas da escravidão em suas comunidades. Na América Latina, as denominações e grandes organizações cristãs uniram forças para criar recursos para conscientizar seus cidadãos sobre a hedionda epidemia de abuso sexual de crianças pequenas e para tentar acabar com isso. No Uganda, onde viúvas e órfãos suportaram o horrível crime de apropriação de terras e a consequente miséria, As igrejas, especialmente nas comunidades rurais, começaram a capacitar suas comunidades para escrever testamentos legais e outros documentos para restringir as mãos dos perpetradores. Nas Filipinas, três dos maiores conselhos da igreja – católicos, protestantes e evangélicos – uniram forças pela primeira vez nos últimos 50 anos para criar uma entidade independente autofinanciada, encarregada de erradicar o tráfico de pessoas de seu país. Muito começou a acontecer e muito mais resta a ser feito!

A Igreja precisa acreditar que pode realmente ser um agente de transformação neste mundo ferido e quebrado. Se isso acontecer, isso se tornará uma parte inconfundível do processo de Deus gerando seu shalom neste mundo. 

A Missão Internacional de Justiça é a maior organização internacional antiescravagista do mundo que trabalha em 17 comunidades em todo o mundo em desenvolvimento para combater a escravidão, tráfico e outras formas de violência contra os pobres, resgatando e restaurando vítimas, responsabilizando os perpetradores e transformando sistemas de justiça pública quebrados. 

Fonte:gospelherald.com