Os nicaraguenses estão deixando o país em busca de segurança e “muitos” deles podem chegar aos Estados Unidos se a situação piorar, diz um padre católico cuja paróquia ficou sob cerco durante uma brutal repressão a protestos contra o governo naquele país. matou mais de 300 pessoas.

“Você pode ver que há um êxodo agora”, pe. Raul Zamora, o sacerdote da Igreja de Jesus da Divina Misericórdia na capital, Manágua, que foi recentemente sitiado pelas forças de segurança depois que se refugiou em estudantes que protestavam, disse à NPR .

A situação, ele acrescenta, ficará “pior se não for resolvida em breve”.

Durante o cerco da igreja , o principal clero católico negociou a libertação de cerca de 200 estudantes universitários, padres e jornalistas em 13 de julho. Mas dois estudantes foram mortos e dezenas de outros feridos.

Alerta de uma crise de refugiados, Zamora continuou: “Se a situação piorar, quero dizer, provavelmente muito se refugiará ou virá aqui como fiz quando eu tinha 11 anos de idade. E eu encontrei esta nação de braços abertos. nação que nos recebeu, você sabe, e nós experimentamos o coração do povo americano, você sabe, e nós sabemos que em um momento como esse, as pessoas responderão com a mesma generosidade ”.

Os protestos em toda a Nicarágua vêm ocorrendo há mais de três meses, desencadeados por reformas planejadas da previdência social. Os manifestantes, em sua maioria estudantes, estão exigindo reformas democráticas e que o presidente Daniel Ortega e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, renunciam à presidência, pois supostamente estabeleceram uma ditadura marcada por nepotismo e brutal repressão.

Durante os primeiros dias dos protestos, Ortega solicitou à Igreja Católica que atuasse como mediador, mas seu governo também começou a usar força brutal contra os manifestantes. Agora, o clero também está sendo atacado por seus partidários.

Os padres católicos estão agora na linha de frente  apoiando a oposição, e Juan Sebastián Chamorro, um membro da aliança de oposição, disse recentemente ao New York Times que o governo “declarou guerra à igreja”.

No domingo, milhares de manifestantes anti-governo participaram de uma marcha para mostrar apoio à Igreja Católica Romana, segundo a BBC .

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, também disse que Ortega está em guerra contra a Igreja.

Zamora concorda. “O presidente realmente disse isso”, ele diz à NPR. “Ele disse que os bispos eram terroristas, que eles são violentos e tudo isso, você sabe? E nós ouvimos isso do próprio povo dele também. É um ataque frontal agora contra a igreja, o bispo e os padres.”

fonte:www.christianpost.com