A Coréia do Norte tem os escravos mais humanos do mundo, de acordo com o Índice de Escravidão Global de 2018, com pesquisas mostrando que está mantendo mais de 2,6 milhões de pessoas na escravidão moderna.

Entre as nações no top 10, a maioria são alguns dos piores perseguidores dos cristãos também.

O 2018 Global Slavery Index , divulgado na semana passada pela Walk Free Foundation, que compila estatísticas e se dedica a pesquisas destinadas a acabar com a escravidão humana, informou que um em cada 10 cidadãos norte-coreanos é forçado a trabalhar sob condições de escravidão.

“Como observou uma Comissão de Inquérito das Nações Unidas, as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte não são meros excessos do Estado, elas são um componente essencial do sistema político”, observou o relatório.

O país com a segunda maior prevalência da escravidão moderna é a nação africana da Eritréia, descrita como “um regime repressivo que abusa de seu sistema de recrutamento para manter seus cidadãos em trabalho forçado por décadas”.

Completando o top 10 estão Burundi, República Centro-Africana, Afeganistão, Mauritânia, Sudão do Sul, Paquistão, Camboja e Irã.

A análise mostrou que, embora a maioria dessas nações seja marcada por conflitos, deslocamento e falta de segurança física, as condições na Coreia do Norte, Eritréia e Burundi se destacam, considerando que a escravidão é principalmente imposta pelo Estado.

O índice de escravidão constatou que houve algum desenvolvimento positivo, já que muitos governos mundiais fortalecem as leis destinadas a combater a escravidão global.

“Medidas de proteção estão sendo fortalecidas, com melhorias no acesso à justiça para adultos e crianças em alguns países”, afirmou.

“No entanto, em todos os países, existem enormes lacunas entre o tamanho estimado da escravidão moderna e o pequeno número de vítimas identificadas. Isso sugere que os esforços que existem no papel não estão sendo implementados de forma eficaz”.

No geral, o relatório observou que cerca de 40,3 milhões de pessoas viviam em escravidão moderna em 2016, mais de 70 por cento delas são mulheres e meninas, que são obrigadas a trabalhar contra sua vontade ou serem forçadas ao casamento.

“Nos últimos cinco anos, 89 milhões de pessoas experimentaram alguma forma de escravidão moderna por períodos de tempo que variavam de alguns dias a cinco anos”, acrescentou.

Ao olhar para as estatísticas sobre a perseguição cristã e os abusos da liberdade religiosa em todo o mundo, a Coreia do Norte também se encontra no topo. O grupo de vigilância de perseguições, Portas Abertas dos Estados Unidos, listou a isolada nação do Pacífico no topo de seu ranking pelo 16º ano consecutivo deste ano.

Com exceção do Burundi, do Camboja e do Sudão do Sul, o restante das nações no top 10 do Global Slavery Index também está entre as 50 melhores do World Watch List  da Open Doors.

Em suas recomendações, a Fundação Walk Free instou os governos e as empresas a priorizarem os direitos humanos ao se envolverem com regimes repressivos, e apoiaram as sanções financeiras e comerciais impostas pelo Conselho de Segurança da ONU à Coréia do Norte.

Ele advertiu “que as empresas e os governos que continuam a negociar com regimes altamente repressivos, como a Coréia do Norte e a Eritreia, estão contribuindo para a manutenção do trabalho forçado”.

Observando que o Global Slavery Index “aprofunda nossa compreensão dos diferentes contextos onde a escravidão moderna provavelmente florescerá e nos ajuda a prever o próximo ponto de inflamação”, a fundação prevê que a próxima crise pode estar entre os refugiados Rohingya, que fugiram da violência genocida cometida pelo governo de Mianmar no ano passado.

“Se a comunidade internacional não fizer nada para enfrentar os enormes riscos resultantes do deslocamento em massa de centenas de milhares de pessoas Rohingya para campos temporários em Bangladesh, esta será a próxima população de pessoas profundamente exploradas e abusadas – aumentando ainda mais e reforçando o que já é um conflito profundamente entrincheirado “, alertou a fundação.